Movimento Bem Maior

17 maio 2022

Inovação e filantropia para mudar o país

Imprensa

Quais são as primeiras palavras que vêm à sua cabeça quando você pensa em legado? Essa foi uma das perguntas feitas durante o evento promovido no fim de abril, por meio de uma parceria entre o Movimento Bem Maior e o Banco Santander. Legado contou com grandes nomes que estão repensando a filantropia no Brasil, gerou conversas que nos ajudam a entender o atual momento do país e a enxergar possíveis caminhos e soluções para reenergizar o trabalho de empreendedores e organizações sociais.

O público que lotou o Teatro Santander, em São Paulo, ou esteve conosco online, foi questionado sobre que ideia tem sobre legado. As respostas que mais se repetiram foram: futuro, propósito, história, amor, herança, impacto e transformação. O cofundador do Instituto Tellus, Germano Guimarães, apresentou uma importante reflexão: “quando pensamos em multiplicar o impacto social, as organizações da sociedade civil têm o papel de promover a inovação para gerar a transformação social.”

O terceiro setor não tem força econômica para substituir ações do Estado, mas deve e precisa ajudá-lo a melhorar a sua atuação. As organizações sociais devem testar, experimentar e ousar mais para validar projetos. Assim, as boas ideias surgidas podem influenciar a política pública, criando um efeito multiplicador.

Acredito que as organizações sociais têm o poder de criar no Brasil um grande polo de inovação social. A partir da expertise técnica, processos de governança bem desenhados e transparentes, acesso a fontes recorrentes de recursos, essas iniciativas se desenvolvem e se dedicam a explorar a nossa potência humana para resolver complexos desafios sociais.

Se quisermos deixar um futuro melhor, a hora de agir é agora. Como disse o médico Drauzio Varella, um dos palestrantes do Legado, sobre sua vivência como voluntário em presídios: “Ou a gente ataca o problema ou não vamos ter solução como país. Ou vamos deixar um país absurdo para os nossos netos”.

Esse encontro de filantropia reuniu líderes, gestores, empresários, empreendedores sociais e integrantes de organizações sociais. Foi um chacoalhar de consciências, para espalhar a cultura de doação e reforçar que todos temos a tarefa de impedir que deixemos um “país absurdo” para o futuro. A necessidade de praticar filantropia de maneira organizada para alcançar resultados escaláveis foi outro ponto destacado.

O fundador da Cyrela e do Movimento Bem Maior, Elie Horn, defendeu que fazer o bem é uma obrigação moral, cívica e pública. “A voz silenciosa do bem tem que falar mais alto. Temos que exigir que Brasília respeite os direitos sociais e nunca haja retrocesso nesse sentido,” nos ensinou Elie Horn.

Quando encerrei o encontro, quis falar de escolhas. De escolhermos reduzir as desigualdades. Uma escolha que precisa ser individual e coletiva, e agir hoje com intencionalidade. Precisamos estar cientes de que cada uma de nossas ações, assim como as nossas omissões, estão moldando o futuro da sociedade em que vivemos. Que legado vamos deixar?

Este artigo foi originalmente publicado no jornal O Povo

Download WordPress Themes
Download Nulled WordPress Themes
Free Download WordPress Themes
Free Download WordPress Themes
udemy free download
download karbonn firmware
Free Download WordPress Themes
free download udemy course

Insira seu e-mail para assinar nossa newsletter

Email Marketing by E-goi
Download WordPress Themes
Download Best WordPress Themes Free Download
Download Premium WordPress Themes Free
Free Download WordPress Themes
udemy paid course free download
download lenevo firmware
Free Download WordPress Themes
free online course